Criação de empregos até novembro tem pior resultado desde 2003

criaçao de empregos.jpg

Apesar do crescimento de 0,12% na criação de empregos formais em novembro, na comparação com o mês anterior – o que significou o melhor desempenho para meses de novembro dos últimos três anos – o resulto do acumulado dos 11 meses de 2013 é o pior desde 2003.

O saldo entre admissões e dispensas de janeiro a novembro deste ano, de 1.546.999, supera apenas o registro em 2003, que foi 1.116.817. Segundo o ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, o resultado é reflexo da queda do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano. “O crescimento do PIB foi menor dos últimos anos. O crescimento [de janeiro a novembro deste ano] foi proporcional ao PIB”, justificou o ministro.

Entre os oito setores de atividade pesquisados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado hoje (20), o comércio (com mais 103.258 postos) teve o melhor resultado em novembro. Já a indústria de transformação perdeu 34.266 postos com carteira assinada. Devido a motivos sazonais, como o fim da safra de café em Minas Gerais, a agricultura, com menos 33.183 postos, também se destacou negativamente.

Já entre as regiões do país, apenas a Centro-Oeste, prejudicada pela sazonalidade da agricultura, teve desempenho negativo no mês de novembro. Todas as demais, de acordo com o Caged, expandiram o nível de emprego formal. Em números absolutos, o Nordeste criou 32.454 vagas; o Sul, 25.090; o Sudeste, 3.008; e o Norte, 75.

No último balanço do Caged do ano, já que o resultado de dezembro será divulgado apenas em 2014, o ministro do Trabalho disse acreditar no crescimento da geração de empregos no ano que vem.

“Teremos investimentos em vários setores. O anuncio [do leilão do campo petrolífero] de Libra e da compra dos jatos pelo Ministério da Defesa gerou uma expectativa muito positiva. E já se começa a criar condições de discutir investimentos que vão ser demandados por essas indústrias”, avaliou.

O ministro ainda citou obras que devem receber investimentos privados, como portos e outras áreas da infraestrutura, “nas quais serão investidos bilhões de reais e que aumentarão o nível de investimentos estrangeiros”. Segundo Manoel Dias, “somando todos esses fatores, certamente, o número vagas de empregos em 2014 crescerá”. Agência Brasil

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *