Alimentos podem reduzir o câncer de mama

O câncer de mama atinge milhares de mulheres no mundo inteiro, sendo que a predisposição para a doença é mais comum naquelas que entram na menopausa, que tiveram menstruação precoce, fazem uso de álcool, engravidaram depois dos 30 anos, sofrem de stress ou tomam anticoncepcional. Entretanto, é possível frear o crescimento da doença com mudanças no estilo de vida e alimentação. Segundo a Nutróloga e especialista em prática ortomolecular, Dra. Sylvana Braga, é possível tratar o câncer de mama com uma dieta ortomolecular (aliada ao tratamento convencional), para evitar a proliferação de tumores na doença já instalada e controlar o aparecimento de casos em familiares geneticamente predispostos. Para isso, o consumo de alimentos funcionais é o mais indicado, sendo aqueles que apresentam em sua composição substâncias biologicamente ativas, que funcionam como remédios. Confira quais são eles:

  • LINHAÇA – ela é rica em lignana, que possui efeito protetor contra o câncer de mama. Trata-se de um fitosteróide que simula a ação do estrogênio e tem ação negativa em relação ao tecido mamário. Ou seja, a lignana neutraliza o efeito do estrogênio na mama, além de impedir a angiogênese, isto é, o aparecimento de novos vasos sanguíneos, o que evita a proliferação de tumores alimentados por sangue.
  • PEIXES MARINHOS – Os peixes de água salgada são ricos em ômega 3, que protege a mama de tumores. Também atua como antiinflamatório e evita a degeneração celular. Sabe-se que muitos dos tumores de mama na sua fase inicial são estrogênios dependentes e a inibição de inflamação impede a produção de estrogênio.
  • CÚRCUMA – o açafrão da índia (CÚRCUMA LONGA) pode ser encontrado nas cores amarela e vermelha, sendo um dos alimentos funcionais mais importantes. O cúrcuma é um fitoquímico que tem potencial anticancerígeno e mata células tumorais. A curcumina do curry indiano pode inibir o aparecimento de vasos sanguíneos que alimentariam o tumor.
  • SOJA (GLYCINE MAX) – possui tocoferóis, fitosteróis e fosfolipídios. Na soja, encontra-se em abundância a isoflavona, fitoestrógeno que tem ação estrogênica e antiestrogênica, e também atua junto aos hormônios femininos diminuindo a circulação destes e reduzindo seus efeitos deletérios, o que contribui para a prevenção da doença.

(TodaEla)

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *